Descubra se o Pix vai ser cobrado – Aprenda todas as informações

O Pix não será cobrado, além disso ele continua sendo:

  • Totalmente de graça para pessoas físicas
  • Disponível para todos
  • Sem nenhuma restrição

O Banco Central já se posicionou alegando que não tem intenção de inserir nenhum tipo de taxa nem impostos nas transferências realizadas por esse sistema. Além disso, vale destacar que o Pix nos últimos tempos passou a fazer parte da vida das pessoas.

Todo o número de usuários é reflexo de um sistema ágil, gratuito, que oferece segurança pois pode ser cobrado ao receber um ou Pix. Por isso, muitas pessoas ainda temem que o sistema estabeleça cobranças de juros, valores ou taxas a qualquer momento.

Diante desse medo todo, algumas pessoas mal intencionadas divulgaram boatos da cobrança do Pix. No entanto, não há o que temer já que o Banco Central anulou as possibilidades de cobranças.

É verdade que o Pix vai ser cobrado?

Na virada do ano surgiu o boato de que a partir de janeiro o Pix seria cobrado. No entanto, essa informação já foi negada pelo Banco Central que afirma que o Pix continua gratuito. Afinal, nunca houve nenhum tipo de decisão de implementar taxas de transações. 

A gratuidade é um dos principais pontos do Pix, e por isso ela é assegurada pelo Banco Central até o momento. Os usuários podem enviar e receber valores durante o dia inteiro movimentando grandes quantias e ainda ficam livre de taxas.

Além disso, não existe nenhum segredo por trás do sistema, para usufruir de todas as vantagens. Basta somente saber como fazer um Pix e cadastrar a sua chave na conta escolhida. Pronto, você pode movimentar as suas finanças!

O grupo de gratuidade abrange as Pessoas Físicas e MEI, mas vale destacar que existem cobranças para Pessoas Jurídicas desde 2021. Além disso, para reforçar que é falsa a notícia que o Pix vai ser taxado e o BC nega planos como esses.

Tem alguma taxa para enviar um Pix?

Como já mencionamos, o Pix é gratuito para Pessoas que podem usufruir sem limites de transações diariamente e o Banco Central desmente cobranças. Mas para Pessoas Jurídicas, alguns aplicativos já fazem a cobrança por transação permitida pelo BC.

Existem exceções de cobrança no Pix para PF ou MEIs. Isso acontece quando a transação se configura como situação de compra. Ou seja, a partir de uma venda de produtos do MEI. A seguir saiba como:

As condições para isso acontecer são: 

  • Receber QR Code dinâmico
  • Receber em conta definida em contrato como de uso exclusivo para fins comerciais
  • Receber mais de 30 Pix por mês, via inserção manual, QR Estático, Chave Pix, ou serviço de pagamento
  • Receber QR Code de um pagador pessoa jurídica

Portanto, essa é a única exceção que se aplica para quem sabe como receber o Pix para aceitar pagamentos em vendas como destacamos anteriormente. Por fim, vale destacar que cada App conta com as taxas de cobranças específicas para pagamento ou recebimento de conta PJ. 

Mas existem alguns aplicativos que não cobram taxas desse grupo, garante diversos benefícios conta PJ no RecargaPay. Seu Pix é gratuito para todas as transações diárias.

Conheça a seguir as taxas de quando o Pix cobra taxas de transferência:

  • Banco do Brasil: 0,99% da transação, cobrança mínima de R$1 e máxima de R$10
  • Bradesco: 1,40% cobrança mínima de R$0,90 e máxima de R$9
  • Transfeera: R$ 0,85 e R$ 0,30 dependendo da quantidade do valor
  • Itaú: 1,45% cobrança mínima de R$ 1,75 e máxima de R$9,60
  • Santander: 1%, cobrança mínima de R$0,50 e máxima de R$10
  • RecargaPay: 0%

Como o Pix realmente funciona?

O objetivo do Pix é facilitar a vida financeira dos seus usuários, e por isso ele não será cobrado. Essa é uma ferramenta de pagamento instantâneo criada pelo Banco Central para dinamizar a vida das pessoas. Através dele é possível fazer transferências ou receber valores em segundos.

Quem sabe o que é o Pix entende a praticidade de essa ferramenta oferece, sem contar com a segurança e o benefício da gratuidade. Por isso, não faz sentido que haja nenhum tipo de cobrança no sistema, ou o incentivo de uso cai e o Pix seria um fracasso. 

Mas vale destacar que isso é possível pois o Banco Central é um órgão público único e centralizado e, assim, pode gerenciar o sistema que abrange todos os bancos e carteiras.

Anos atrás os sistemas de troca de valores eram desenvolvidos pelos próprios bancos, e por isso existe a cobrança de R$10 para TED e DOC. Além disso, dentro do Pix existem funções interessantes como o Pix agendado, que cai bem em algumas ocasiões.

Com o Pix agendado você agenda o dia e horário em que o valor cai na conta do destinatário. O procedimento é o mesmo do envio direto, basta só clicar na opção de agendar e escolher o dia e hora.

Outra funcionalidade muito utilizada entre os brasileiros é o Pix Saque e troco quando o usuário ultrapassa o limite gratuito de 8 saques mensais. Existe uma outra modalidade que não é oficial do Banco Central, mas é bem famosa. 

A modalidade de Pix com cartão de crédito que pode ter cobranças variadas conforme o banco ou carteira digital que oferece a modalidade. Nela é possível parcelar o valor do pagamento na sua fatura.

Com essa modalidade você também pode transformar o seu limite do cartão em Pix e enviar para sua própria conta ou pagar contas como boletos. 

Algum banco mantém o Pix?

O Banco Central é quem banca o Pix, pagando desde da sua infraestrutura e todo o sistema necessário para o seu pleno funcionamento. No entanto, as carteiras digitais e bancos que disponibilizam essa modalidade para os seus clientes, pagam por ela.

Para saber tudo sobre o Pix, é importante entender que o BC autoriza cobranças de PJ que utilizam esse sistema. O valor arrecadado nessas transações é usado pelos bancos e instituições para arcar com os custos do sistema e permitir que PF usem gratuitamente o Pix. 

Além de ser uma modalidade de transferência instantânea, vale destacar que o Pix é seguro e continua sendo gratuito dentro dos seus critérios. Os bancos que oferecem pagamento via Pix cobrem os custos com os valores dos PJ que usam a ferramenta.

Conclusão

Ao decorrer do conteúdo abordamos detalhes sobre a cobrança de taxas e impostos no uso do Pix. Afinal, essa informação que tomou uma grande proporção é falsa e negada pelo Banco Central.

Recomendamos que se você é PJ utiliza essa modalidade de pagamento para pagar ou receber valores, baixe o RecargaPay que não realiza cobrança de taxas para pessoas jurídicas. Usufrua desse grande benefício com facilidade para administrar as suas finanças.

Avisamos que diante de informações como essas sobre cobranças de taxas na modalidade de pagamento instantâneo, tome cuidado. Essa é mais uma informação falsa, pois o BC divulgou que não tem o intuito de cobrar de pessoas físicas o uso do Pix.