Conheça 4 golpes do Pix e saiba como se proteger

No nosso site PagPix, que é o melhor comparador de apps de PIX, encontramos que de os principais golpes do Pix são:

  • Golpe do Robô do Pix: um esquema que promete um robô que faz comentários automáticos para aumentar suas chances de ganhar sorteios em redes sociais.
  • Golpe do Urubu do Pix: este golpe promete retornos altos a cada transferência da vítima, mas não funciona de verdade.
  • Golpe do agendamento do Pix: o golpista apenas agenda o Pix e envia o comprovante para a vítima. Depois, ele cancela o envio.
  • Golpe do QR Code: o golpista cria uma fatura falsa de uma empresa e envia para a vítima “pagar”.

Neste conteúdo, você terá acesso a todos os detalhes desses esquemas e aprenderá como se proteger de cada um deles. Além disso, também terá acesso a recomendações e dicas básicas para nunca cair em golpes do Pix (e o que fazer caso isso aconteça).

1) Golpe do Robô do Pix

Golpes do Pix: Golpe do Robo

O Golpe do Robô do Pix é extremamente popular e muito divulgado nas redes sociais, fazendo milhares de vítimas todos os meses. Esse esquema alega que há um “robô” capaz de fazer comentários automáticos em posts de sorteios no Instagram para que a vítima ganhe esses eventos e receba prêmios em dinheiro.

Basicamente, o que o golpe alega é que a vítima receberá um robô, um código de programação, que ela poderá configurar para fazer milhares de comentários em um post de sorteio em redes sociais.

Assim, ela aumentaria as suas chances de vitória desses sorteios e receberia o pagamento dos valores pelo sistema de transferência do Banco Central. Para ter acesso ao tal robô, seria necessário fazer um pagamento, normalmente de R$49, R$97 ou R$147.

O “problema” dessa oferta é que, apesar do código distribuído realmente fazer milhares de comentários em uma postagem no Instagram, isso não garante a vitória em sorteios.

Em primeiro lugar, o algoritmo do Instagram sabe identificar quando uma ação é humana e quando ela é automatizada. Assim, não vai demorar mais do que 1 semana para que o perfil da vítima seja banido após a utilização do robô.

Em segundo lugar, as regras dos sorteios podem facilmente invalidar comentários automatizados, o que simplesmente tiraria a vítima do sorteio.

Assim, a vítima gasta seu dinheiro comprando o robô e não pode usá-lo para nada, pois será banida das redes sociais e não receberá nenhum dinheiro via sorteio.

Além disso, como em outros golpes do Pix, essa modalidade pode roubar dados dos usuários que pagam o robô usando uma chave que revele suas informações.

Sempre que fazemos uma transferência com a chave de CPF, e-mail ou telefone para um desconhecido, corremos o risco dessa pessoa usar os dados para clonar cadastros em lojas, achar nossos perfis nas redes sociais, fazer phishing e mais.

O vídeo abaixo mostra mais detalhes sobre como o golpe do Robô do Pix funciona e porque ele não dá certo para a vítima:

No geral, o Pix é seguro, mas é a má utilização dos usuários que abrem margens para golpes como este.

Como evitar esse golpe?

Para evitar o Golpe do Robô do Pix, basta não comprar o código que faz os comentários automaticamente. Apesar dos golpistas fazerem páginas e vídeos muito atraentes e com argumentos falaciosos, a vítima só cai no golpe se comprar.

Lembre-se de que todas as redes sociais coletam milhares de dados de cada pessoa. Elas sabem quando começamos a escrever um comentário e depois paramos, apagamos, voltamos a escrever. Por isso, os algoritmos sabem identificar uma ação não-humana e vão banir a conta que automatizar comentários em pouco tempo.

2) Golpe do Urubu do Pix

Golpe do Urubu do Pix

O Golpe do Urubu é um dos golpes do Pix mais clássicos e que, infelizmente, muitas pessoas ainda são vítimas. Ele consiste em uma farsa simples ou que, no “melhor dos casos”, uma pirâmide clássica.

Esse golpe tem esse nome porque é divulgado por um famoso perfil no Twitter com milhares de seguidores. Na prática, o golpe consiste na promessa de que a vítima receberá em dobro ou triplo o valor que enviar via Pix.

Ou seja, o usuário deve transferir algo como R$1.000 para ganhar R$2.000, R$3.000 e mais.

Há, também, uma variação do golpe que diz que o usuário deve pagar um valor simbólico (R$100, R$200) para entrar em um grupo do WhatsApp. Uma vez dentro do grupo, o a vítima receberia o valor da transferência dos outros utilizadores que entrassem no futuro.

O problema das duas versões é que não há qualquer garantia de pagamento. Simples assim: a vítima pode enviar o dinheiro e nada garante que ela vá receber. Depois, não há como cancelar o Pix para recuperar o valor enviado.

Além disso, não faz sentido que o esquema funcione. Afinal, não há de onde sair esse dinheiro extra. Se todas as pessoas pagam R$1.000 e recebem R$3.000, os outros R$2.000 precisam sair de algum lugar. A conta não fecha.

O vídeo abaixo mostra mais alguns detalhes sobre como o esquema funciona e porque ele é falso:

Considerando que existem mais de 100 milhões de utilizadores do sistema do Banco Central, é natural que muitos golpes sejam criados. Entretanto, é importante ter atenção para não ser enganado por golpistas.

Como evitar esse golpe?

Este é um esquema fácil de evitar, pois depende da ação pró-ativa da vítima para acontecer, ao contrário de outros golpes do Pix. Portanto, para evitá-lo, basta não fazer a transferência inicial.

Por mais lucrativa que seja a proposta e por mais persuasivo que seja o argumento de quem está comandando o esquema, o fato é que não há dinheiro fácil. Os recursos têm de vir de algum lugar. É por isso que ofertas boas demais para ser verdade, de fato, não são reais.

3) Golpe do agendamento do Pix

Golpe do Pix Agendado

O Golpe do Pix Agendado é um perigo constante para empresas, lojas e pessoas que vendem produtos ou serviços nas redes sociais. Por isso, é importante entender como ele funciona para não ser vítima.

Neste esquema, o golpista faz o agendamento da transferência em seu aplicativo de pagamento. Em seguida, tira um print desse agendamento e envia para a vítima.

Quem vende, acaba não reparando nas informações e envia o produto ou realiza o serviço, sem perceber que não recebeu o pagamento.

Após tudo realizado, o golpista simplesmente cancela o Pix Agendado e fica com o dinheiro. Quando a vítima percebe, é tarde demais para reagir.

Há, inclusive, algumas variações desse esquema em que os criminosos usam softwares de edição de imagem para criar um comprovante do Pix falsificado.

Nesse caso, o golpista até envia o comprovante, mas a imagem é totalmente falsa. Na pressa do dia a dia, a vítima não confere os dados e acredita que recebeu o dinheiro.

O vídeo abaixo explica mais sobre o golpe: 

Considerando que são mais de 73 milhões de transferências pelo sistema por dia, é natural que as empresas e vendedores não consigam dar conta de todos os envios e, assim, acabem vítimas desse esquema.

Como evitar esse golpe?

Para evitar cair no golpe do agendamento do Pix, é necessário que verificar sempre, com bastante atenção, todos os comprovantes recebidos.

Veja se no print enviado há a indicação de agendamento e confira se o valor caiu na conta. No comprovante, há sempre o ID da transação. Esse número pode ser utilizado para confirmar o recebimento. Se não conseguir confirmar, não envie o produto ou faça o serviço.

4) Golpe do QR Code

Golpe do QR Code do Pix

Por fim, é importante conhecer e se prevenir do Golpe do QR Code. Neste esquema, golpistas enganam as vítimas se passando por empresas e enviando faturas falsas para roubar dinheiro.

Basicamente, o golpista produz uma fatura falsa de uma empresa de água, luz ou energia e usa um gerador de QR Code para inserir um código no documento.

Então, envia a fatura para a vítima por WhatsApp ou e-mail, afirmando que há uma conta em atraso e que a pessoa deve fazer o pagamento pelo código inserido.

Obviamente, o código é falso e leva o dinheiro para a conta do golpista. No entanto, após a transação feita, não há como cancelar o Pix e recuperar o dinheiro.

A matéria jornalística a seguir mostra mais detalhes sobre o golpe:

Como evitar esse golpe?

Para evitar cair nesse esquema do boleto falso com QR Code, é necessário que você tenha bastante atenção aos documentos que paga. Verifique o e-mail ou o contato que enviou o documento antes de pagar.

Veja, também, se a fatura em atraso consta no site oficial da empresa. Tente tirar a segunda via para confirmar que o documento é válido mesmo.

Assim como outros golpes do Pix, este esquema se beneficia da falta de atenção das pessoas para tentar tirar dinheiro. Se você estiver atento, evitará problemas.

Recomendações para não cair em golpes do Pix

Recomendações para não cair em golpes do Pix

Apesar do Pix ser um sistema muto seguro do ponto de vista técnico, ainda assim ele é muito visado para a aplicação de golpes. Por isso, é importante que você tenha alguns cuidados básicos para não ser vítima desses esquemas.

Todos os golpes que mencionamos neste conteúdo, assim como outros que são criados diariamente envolvendo o sistema de transferência do Banco Central podem ser facilmente evitáveis com algumas dicas de segurança.

Veja a seguir 5 dicas para não cair em fraudes:

  • Não acredite em promessas de “dinheiro fácil”, já que ninguém dá dinheiro de graça para os outros
  • Conheça sobre esquemas de pirâmides e saiba como identificá-los
  • Sempre peça um comprovante quando receber uma transferência e verifique o ID da transação
  • Nunca faça pagamentos de boletos ou faturas enviadas por WhatsApp ou e-mail sem sua solicitação. Procure em fontes oficiais para saber se o documento é real
  • Nunca compartilhe seus dados para desconhecidos. Se precisar pagar algo para alguém que não conhece, use a chave aleatória, que é mais segura.

Para se proteger mais, veja o vídeo abaixo com dicas extras para não cair em golpes do Pix:

Especialista dá dicas para evitar golpes com Pix | CNN SÁBADO

Cai em um golpe do Pix, o que devo fazer?

Cai em um golpe do Pix, o que devo fazer?

Apesar de todas as proteções e cuidados, nem sempre é possível evitar golpes do Pix. Ou seja, é possível que, eventualmente, você também seja vítima de um esquema ou fraude.

Nesses casos, a primeira coisa a fazer é abrir um Boletim de Ocorrência mencionando o que aconteceu e todos os dados possíveis.

Você pode abrir um BO online mesmo, sem precisar sair de casa. Basta entrar no site da Polícia Militar do seu estado e procurar pela opção “Boletim Eletrônico de Ocorrência”.

Em seguida, informe o que aconteceu, mencione todos os dados possíveis que você tiver para identificar o golpista (nome, número de celular, chave Pix, etc.) e explique toda a situação.

Após fazer o BO, para tentar recuperar o dinheiro perdido, você deve acionar o Mecanismo Especial de Devolução, uma ferramenta que o Banco Central criou justamente para golpes e fraudes desse tipo.

Para usá-lo, basta acionar o suporte do seu banco e explicar que você foi vítima de uma fraude. Mencione todas as informações, envie o ID da transação e explique o ocorrido. Tire prints e mostre como prova.

Em seguida, o seu banco deverá entrar em contato com a instituição bancária que recebeu a transferência e intermediar a devolução do recurso. Há um prazo de alguns dias até que todo o processo seja realizado e os recursos voltem para sua conta.

No pior dos casos, se não for possível comprovar a fraude, você precisará entrar com uma medida judicial. Nem sempre a situação chega a esse ponto, já que prints e comprovantes são o suficiente para o dinheiro voltar, mas existem casos em que isso se faz necessário para combater golpes do Pix.

Caí no golpe do PIX, e agora?

Conclusão

Em minha opinião, existem muitos golpes do Pix e, enquanto o sistema de transferência manter essa popularidade, existirão muitos mais. Afinal, sempre que houver dinheiro envolvido, golpistas tentarão se beneficiar.

Nossa recomendação é que você siga sempre as dicas de segurança e nunca compartilhe dados com outras pessoas. Também sempre pense 2, 3 vezes antes de entrar em qualquer grupo e pesquise para saber se aquela oferta que você recebeu é de alguma fraude.

Além disso, fica o aviso: da parte técnica, o sistema é seguro. O risco de golpes do Pix está sempre nos usuários. Portanto, todo cuidado é pouco.

Deixe um comentário